12/08/2015

A obscura história da Monsanto

A Monsanto é a maior produtora de herbicidas do mundo, e está entre as cem empresas mais lucrativas dos EUA. 

Apenas nos últimos dois anos, investiu US$ 6,7 bilhões na aquisição de outras companhias norte-americanas de sementes e biotecnologia, tornando-se a maior empresa do ramo.

A Monsanto Chemical Company foi fundada em 1901, em Saint Louis, Missouri, Estados Unidos. Nos anos 20, converteu-se num dos maiores fabricantes de ácido sulfúrico e de outros produtos básicos da indústria química. Desde a década de 40 até hoje sempre se manteve entre as dez maiores indústrias químicas dos Estados Unidos.

Em 1929 a Swan Chemical Company, adquirida pouco depois pela Monsanto, desenvolveu os bifenilos policlorados (PCBs) que foram elogiados por sua extraordinária estabilidade química e ininflamabilidade. Os PCBs, ou escarel, foram largamente utilizados como refrigerantes de equipamentos elétricos. 

Nos anos 60, os numerosos compostos da família dos PCBS da Monsanto foram usados como lubrificantes de ferramentas, revestimentos impermeáveis, refrigeradores de transformadores. Nos anos 30 já se tinha alguns indícios dos perigos dos PCBs. Nos anos 60 e 70 os cientistas apresentaram dados conclusivos: os PCBs e outros compostos organoclorados provocavam câncer e estavam relacionados com um conjunto de transtornos reprodutivos e imunológicos. O centro mundial de produção de PCBs era a fábrica da Monsanto em East Saint Louis. 
O lugar hoje é um subúrbio de empobrecimento crónico. 

A cidade tem a taxa mais elevada de morte fetal e de nascimentos prematuros do estado. O Ascarel é hoje proibido no mundo, mas ninguém sabe o que fazer com as milhões de toneladas do produto estocadas por todo planeta. Há cerca de cinco anos a imprensa noticiou que moradores de favelas do Rio de Janeiro usavam ascarel de um depósito e usavam-no como óleo de cozinha!

O herbicida conhecido como agente laranja foi usado pelos militares norte-americanos para desfolhar as árvores da selva tropical do Vietname durante a guerra nos anos 60. 

É uma mistura de dois tóxicos poderosos, o 2,4,5-T (ácido Triclorofenoxiacético) e 2,4-D (ácido Diclorofenoxiacético). Ele era fornecido por várias empresas, mas o da Monsanto era o mais poderoso por conter níveis maiores de dioxinas . As dioxinas, como já se comprovou, são cancerígenas e teratogénicas (gera fetos mal formados). 

Por conta desta eficiência, a Monsanto foi a principal acusada na demanda interposta pelos veteranos de guerra que, depois do conflito, apresentaram uma série de doenças atribuídas a exposição ao agente laranja.
É preciso observar que os militares prestaram serviço máximo de um ano no Vietnam. Mas e os nativos da região? Estimativas dão conta da existência de mais de 500 mil crianças nascidas no Vietnam desde os anos 60 com deformidades relacionadas às dioxinas contidas no agente laranja. Uma acção judicial, motivada pela denuncia de trabalhadores ferroviários expostos a dioxinas em consequência de um descarrilamento, revelou a existência de dados manipulados. Um funcionário da Agencia de Proteção Ambiental Americana (EPA) concluiu que os estudos foram manipulados para apoiar a posição da Monsanto, que defendia que os efeitos das dioxinas limitavam-se à cloroacne (uma enfermidade da pele). A Monsanto teve que pagar US$ 16 milhões revelou-se que muito dos produtos da empresa, desde herbicidas caseiros estavam contaminados por dioxinas.

Em 1990, um memorando da Dra. Cate Jenkins, da EPA, dizia: “a Monsanto remeteu informações falsas à EPA". A empresa adulterou amostras do herbicida que remeteram ao Departamento do Ministério da Agricultura dos EUA para registrar o 2,4-D e vários clorofenóis; ocultou provas sobre a contaminação do Lysol, além de excluir estudos comparados de saúde de centenas de antigos empregados seus.

O grande negócio da Monsanto são os venenos. Os herbicidas (eliminadores de ervas daninhas), a base de Glyphosate, caso do Roundup, representam mais de um sexto do total das vendas da empresa. A empresa facturou US$ 1,2 bilhão com a venda do Roundup.

A Monsanto fazia uma propaganda do Roundup onde o publicitava como “biodegradável” e “inócuo para o meio ambiente”. O Governo dos EUA obrigou a empresa a tirar estas expressões da propaganda e a pagar uma multa de US$ 50 mil.

Em 1997, a empresa teve também que pagar US$ 50 mil por um processo que a acusava de propaganda enganosa no tocante á biodegradação do produto. Em março do ano passado (1998) a Monsanto teve que pagar uma outra multa de US$ 225 mil porque colocou na etiqueta uma restrição de entrada de trabalhadores na área tratada em somente quatro horas, quando o certo seriam 12.

Além das já citadas, em 1986 a Monsanto pagou US$ 108 milhões por responsabilidade na morte de um trabalhador por leucemia. Em 1990, pagou US$ 648 milhões por não comunicar a EPA dados sanitários que lhe foram requeridos. Em 1991, pagou US$ 1 milhão por ter vertido 750 mil litros de água residual ácida no meio ambiente. Mais US$ 39 milhões em Houston (Texas) por depositar produtos perigosos sem isolamento.
Conforme a EPA, a Monsanto é a quinta maior empresa poluidora de águas dos Estados Unidos. Ela já lançou na terra, água, ar e subsolo, 166,8 milhões de toneladas de produtos químicos.

A subsidiária da Monsanto, GD Searle, produz o adoçante artificial Aspartame, vendido sob o nome comercial de “Nutrasweet” e “Equal”. Pois bem, em 1981, quatro anos antes da Monsanto comprar a Searle, a FDA (Agencia que controla os alimentos e fármacos dos EUA) confirmou que “o Aspartame poderia induzir a tumores cerebrais”. A FDA cancelou a licença de venda do Aspartame, mas um grupo nomeado pelo presidente Ronald Reagan anulou tal decisão. Um estudo mais recente, publicado no Journal of Neuropathology and experimental neurology, de 1996, voltou a citar a relação entre o aumento no número de cancros cerebrais devido ao uso da substância.

A Searle/Monsanto também é fabricante do anti-úlcera Cytotec, que é popularmente (e perigosamente) utilizado como abortivo pela população.

O primeiro produto geneticamente modificado que se comercializou no mundo é da Monsanto. O hormonio recombinante do crescimento, rBGH, ou, segundo seu nome em inglês, Bovine Somatropine, BST, pode ser encontrado no mercado com o nome de Polisac. Ele foi idealizado para que as vacas produzam mais leite do que produziriam naturalmente. Espera-se que nas vacas que se injeta diariamente o BST haja um acréscimo de 10 a 20 por cento na produção. Mas são tantos os perigos reais associados ao seu uso que hoje ele é proibido no Canadá, União Europeia e outros países. 

A etiqueta exigida pela FDA no rótulo do produto associa o seu uso a 21 enfermidades das vacas, aí incluindo quistos nos ovários, desordens uterinas, redução do tempo de gestação, incremento da taxa de gemeos, retenção da placenta … O risco mais sério é o de mastite, ou inflamação do úbere. Uma vaca com mastite produz leite com pus que vai no leite. A partir de aí, o uso de antibióticos que trazem problemas para os animais e enormes perigos sobre os seres humanos.

Quando se injeta o BST na vaca, a sua presença no sangue estimula a produção de outro hormonio, o Fator de Crescimento 1 (IGF1), uma variedade de insulina. Trata-se de um hormonio protaico que tanto vacas como seres humanos produzem naturalmente. Já se comprovou: o hormonio da Monsanto incrementa os níveis de IGF1 no leite das vacas. 

Dado que o IGF1 é activo nos humanos, causando divisão das células, alguns cientistas supõem que a ingestão de leite tratado com altos níveis de BST, poderia dar passagem a uma divisão e crescimento incontrolado de células humanas. Em outras palavras: cancro.

Em 1993, a própria Monsanto admitiu que o nível de IGF1 no leite é incrementado cerca de cinco vezes quando se usa o BST. Em 1995 um estudo descobriu que o IGF1 promovia o crescimento de tumores cancerígenos em animais de laboratório. Em 1996 estudo da Universidade de Illinois, Chicago, mostrou que as concentrações de IGF1 que há no leite das vacas tratadas com o BST podem provocar cancro de mama e colo entre as mulheres que bebem este leite.
No início da década de 90 tais informações sobre os efeitos do hormonio da Monsanto eram conhecidas. E por isso os consumidores americanos provocaram uma espécie de boicote a este leite. Alguns produtores pecuarios responderam com uma produção de leite sem o uso do hormonio. E etiquetaram seus produtos com o alerta: leite sem BST.

Em 1994, de uma forma absolutamente fascista, a FDA, aliada a Monsanto, advertiu-os  de que não poderiam fazer tal alerta nos seus produtos. A FDA argumentava que “virtualmente não existe diferença entre o leite BST e o normal”. Até mesmo sorveterias que queriam excluir o leite tratado com BST foram advertidas pela FDA. O sector leiteiro norte-americano denunciou que a Monsanto minimizou, ocultou ou intentou ocultar os efeitos adversos do hormonio BST.

A Monsanto lançou há poucos anos um algodão transgénico que é imune ao seu herbicida Roundup, o algodão RR. O produto foi um fracasso. As plantas não cresciam normalmente e os capulhos caiam antes do tempo. Alguns produtores tiveram perdas totais da colheita. Em 1997 os agricultores dos EUA apresentaram queixas ao governo. Em 1998, o Conselho de Arbitragens de Sementes do Mississipi determinou que o algodão transgénico da Monsanto “não havia se comportado como estava descrito na etiqueta das embalagens de sementes”. Apesar do fracasso a Monsanto continua a vender o seu algodão mutante.

As plantações de colza resistentes ao herbicida Roundup representam a quinta parte dos cultivos no Canadá. Na primavera de 1997, duas variedades de colza RR tiveram que ser retiradas do mercado após um ensaio de qualidade ter revelado que na papelada apresentada ao Governo para regulamentação faltava listar material genético.

No Brasil, após a aprovação da Lei de Cultivares, que instituiu o monopólio privado da propriedade das variedades vegetais no país, a Monsanto comprou, dentre outras, a empresa Paraná Sementes e a Agroceres. Formou, ainda, uma joint venture com a Cargill, consolidando sua supremacia entre as empresas produtoras de sementes no país.
Abaixo um excelente documentário “O mundo segundo a Monsanto”, mostra como essa multinacional está a patentear sementes transgênicas e a introduzi-las em países emergentes como o Brasil. 

Presente em 46 países, a Monsanto tornou-se líder mundial de sementes e plantações transgênicas e também uma das empresas mais controvertidas na história industrial. Desde a sua fundação em 1901, a empresa foi processada judicialmente inúmeras vezes devido à toxidade de seus produtos.


Sem comentários:

Enviar um comentário