19/02/2016

O que a Monsanto fez na Argentina, está a ser introduzido em Portugal

A P3 lançou recentemente uma entrevista com o fotógrafo argentino Pablo Piovano, que fez um espectacular trabalho fotográfico, retratando as vítimas argentinas das politicas e actividades das multinaionais do agro-tóxico no seu país.

Pablo Piovano encontrou casos de malformação, aborto espontâneo e cancro que aumentaram exponencialmente desde a implementação do uso dos glifosatos no cultivo de alimentos na Argentina há 20 anos. Estes são usados no cultivo de culturas agricolas transgénicas, das mesmas empresas que os produzem.

“Custa crer que boa parte dos alimentos que estão na nossa mesa diariamente sejam criados num laboratório e fumigados com químicos altamente tóxicos”, lamenta o fotógrafo argentino Pablo Piovano. 

Deixamos em baixo na íntegra a entrevista concedida à P3, mas queriamos também que dessem uma vista de olhos a este impressionante video, entitulado "O Custo Humano", feito a partir do trabalho (de arrepiar), de Pablo, que podem encontrar mais detalhado, também na P3 aqui.

Em Portugal, o uso de Glifosatos è já uma práctica corrente, assim como o cultivo de transgénicos. Este tipo de cultivos agricolas, que já se encontram banidos por toda a Europa, encontram grande recepção em Portugal e Espanha, em grande parte devido à abertura que este tipo de multinacionais recebem de classes e estruturas partidárias, assentes em valores que nada têm a ver com a protecção da saúde das suas populações. 

Podem encontrar aqui, um Mapa dos cultivos de milho transgénico em Portugal, que se introduzem no território nacional, com o alto patrocínio de PS, PSD e CDS, que nos governos que constituiram os têm permitido, sendo que PSD e CDS, também fazem questão de os defender no Parlamento Europeu como podem ver aqui.


Segundo a Rede de Médicos de Povos Fumigados da Argentina — organização independente que desenvolve estudos nas zonas onde são mais frequentes as fumigações químicas sobre áreas cultivadas —, a saúde de 16,4 milhões de pessoas é afectada, o que se traduz em aproximadamente um terço dos argentinos. “Em algumas povoações, no período de menos de uma década, os casos de cancro infantil triplicaram, houve um aumento de 400% de casos de aborto espontâneo e de malformações em recém-nascidos.” O glifosato e o 2.4D (que são também componentes do famoso Agente Laranja) são herbicidas de uso corrente na Argentina. A Organização Mundial de Saúde classifica vários destes químicos como “potencialmente cancerígenos”, sem arriscar uma afirmação peremptória contra ou a favor da sua utilização.

Pablo Piovano percorreu seis mil quilómetros no litoral e norte do país e conheceu pessoalmente as vítimas do que considera tratar-se de “um genocídio silencioso”. Na grande maioria dos casos que documentou em "O Custo Humano dos Agrotóxicos", as vítimas são crianças/jovens cujos pais estiveram em contacto directo com as substâncias tóxicas. O trabalho agrícola é o tipo de trabalho mais comum na região visitada pelo fotógrafo, o que deixa a população numa posição de enorme fragilidade.

"Um exemplo vivo do impacto dos agrotóxicos"

O projecto "O Custo Humano dos Agrotóxicos" inclui diversos casos, mas aquele que Piovano considera mais impactante é o de Fabián Tomàsi. “Ele fazia carga e descarga de químicos a partir de um avião” descreve. “Contactou com todo o tipo de agroquímicos. Ele é o exemplo vivo do impacto dos agrotóxicos na saúde humana. Tem politraumatismos de todo o tipo: não pode levantar uma chávena de café, com as mãos não consegue fazer nada e está fraco como um esqueleto” descreve o fotógrafo. Fabián é conhecido na Argentina por dar voz à luta contra a utilização de agrotóxicos, “está sempre aberto a falar sobre o assunto com qualquer que seja o meio de comunicação social que o solicite”.

Outro caso que considera relevante é o de uma família da província de Misiones. “Nesta família, todos tinham uma afecção resultante do contacto com agrotóxicos.” Andrea inalou, aos 8 anos de idade, o pesticida bromometano, o que resultou em 9 dias de internamento nos cuidados intensivos, perda parcial de função motora e falência renal. Três vezes por semana, Andrea faz diálise. “O irmão mais novo, que agora tem vinte anos, é como um bebé. Tem problemas neurológicos graves. O pai tem cancro.” A mãe morreu há anos, vítima de um enfarte do miocárdio em sequência da notícia do internamento da filha.

"No que toca este assunto, existe paz entre governo e meios de comunicação"

Apesar das consequências da utilização de químicos na produção alimentar, na Argentina, o assunto não é abordado com frequência pelos meios de comunicação, segundo Pablo. “Na Argentina existe uma espécie de guerra entre o oficialismo e os meios de comunicação social. No que toca este assunto, existe paz entre ambos. É o que nós chamamos de ‘lado de negócio’. Para mim é muito claro. Os meios de comunicação são cúmplices das grandes corporações que detêm grande parte da terra e do negócio.” Em 1996, o governo argentino assinou um acordo com a empresa líder mundial no sector da biotecnologia agrícola, a Monsanto, que introduziu no país a comercialização e produção de soja transgénica e que abriu portas ao uso do herbicida glifosato, segundo o autor, “sem qualquer análise científica ou avaliação de danos humanos”. Em consequência, em 2012 “vinte e um milhões de hectares eram dedicados ao cultivo de soja transgénica, cobrindo 60% da área cultivável do país. No mesmo ano, “370 milhões de litros de agroquímicos foram aplicados no solo argentino. Não existe qualquer lei na Argentina que regule a utilização de herbicidas, apesar de o glifosato estar proibido em 74 países. Em 2014, os lucros da Monsanto rondaram os 16 mil milhões de dólares”.

O vídeo do projecto "O Custo Humano dos Agrotóxicos" inclui imagens inéditas e testemunhos na primeira pessoa. O projecto do fotojornalista do "Pagina/12" já foi publicado em alguma imprensa da América Latina, na Burn Magazine e Photographic Museum of Humanity.

35 comentários:

  1. O mais grave é que a grande maioria dos portugueses nem sequer sabem quem é a Monsanto e o que esta gente faz e o que já fizeram e o que são capazes de fazer...!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Isso e verdade, Até porque a informação não é transmitida e, tal como na Argentina, é tudo um compadrio de interesses em que nunca se leva em conta as pessoas. Para este tipo de gente só existe o dinheiro e nada mais. Nem mesmo os meios de comunicação social dão informação fidedigna sobre este assunto, envenenem-se as pessoas e nada é dito ou feito para mudar a situação. E enquanto isso os nossos pequenos agricultores vão perdendo eles também capacidade de produção, porque quem estabelece os preços dos produtos são as grandes superfícies, prejudicando seriamente o sustento deles, e, como compensação vêm empresas como a Monsanto arrasar com os nossos agricultores e consequentemente connosco.

      Eliminar
    2. Uma reportagem na TV, esclareceria logo os portugueses ;)!

      Eliminar
    3. Uma empresa como a Monsanto, que ofereceu recentemente mais de 40 mil milhões de euros para adquirir uma rival,não iria permitir tal desiderato de tentarem Informar a População. Ou compravam o jornalista ou o Meio de Comunicação e su não resultasse silenciavam-no (quiçá de modo definitivo) como fizeram em outras ocasiões. O problema é que o dinheiro compra consciências (de quem as tem). Os milhões de pessoas que a Monsanto e comparsas dos químicos (ver IG FARBEN e seguimentos)é várias vezes superior ao HOLOCAUSTO provocado pelo Adolfo, basta ver o que fizeram no Congo...

      Eliminar
    4. Para quem não sabe o que é a Monsanto pode ver este excelente documentário:
      https://www.youtube.com/watch?time_continue=19&v=-WxpjH7XiGE

      Eliminar
  2. Em Portugal, se não for futebol... Passa ao lado ��, infelizmente. Era quase capaz de afirmar que mais de metade da população portuguesa nem quer saber... Como em tudo o resto... + 1 vez, infelizmente...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Brasil é a mesma coisa.... infelizmente....

      Eliminar
  3. Em Portugal, se não for futebol... Passa ao lado ��, infelizmente. Era quase capaz de afirmar que mais de metade da população portuguesa nem quer saber... Como em tudo o resto... + 1 vez, infelizmente...

    ResponderEliminar
  4. Por isso cabe nos a nos partilhar a informação.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O pior é que a grande maioria não tem acesso às redes sociais

      Eliminar
    2. E muitos que têm acesso às redes sociais só o fazem para publicar selfies, frases pateticas ou bisbilhotar nas vidas alheias...

      Eliminar
  5. Grande parte nem sabe o que é OGM.

    ResponderEliminar
  6. Partilhar Partilhar Partilhar !!!!!!!

    ResponderEliminar
  7. Só interesses comerciais o ser Humano não conta.
    Tudo podre de mente !

    ResponderEliminar
  8. Vamos todos PARTILHAR o mais que podermos. Talvez assim mais alguns portugueses fiquem a saber o que andam a "tramar" nas nossas costas.

    ResponderEliminar
  9. Há cerca de 12 anos atrás trabalhei num armazém de fruta (pêras e maças). Todas as cargas que chegavam eram lavadas com uma mistura de 3 antibióticos, para depois irem para as estufas de anóxia (onde a fruta fica parada no tempo...). Quando confrontei o responsável (geralmente identificado como "o engenheiro"), ele disse-me que era tudo em conformidade com "o regime de produção integrada". Muito bem! Fiquei logo descansado! Especialmente porque acordava todos os dias com o cheiro daquele líquido na minha pele! Decorei aquele cheiro para sempre e, desde então, quando vou a um supermercado, o cheiro da fruta e vegetais só me cheira aos tais antibióticos. E, é claro, o processo começa na semeadura, como este artigo refere. Quando vou comprar vegetais aos meus fornecedores, pergunto quais são os seguros para comer. Os outros vão para as grandes superfícies! São fáceis de distingir pelo aspecto grande e bonito. Mas, por mais que informações como esta corram a população, a sua assimilação não é eficaz. É difícil fazer crer às pessoas que aqueles brócolos verdinhos e frescos são um veneno lento, ou que aquelas maças estão cobertas de disruptores endócrinos. E depois temos ainda os "especialistas", porque agora nada tem validade se não for dito por um especialista, muito embora isso constitua uma enorme falácia, já que são exactamente os especialistas que possuem uma agenda mais comprometida! Uma conversa que nunca acaba! Temos de continuar a falar...!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É bom ler relatos como o seu para as pessoas irem assimilando o que se passa, procurarem mais informação e avaliar.Não sabia como conservavam a fruta. Surpreende-me ver os supermercados cheios de pera rocha quando as arvores/pomares começam neste mês rebentar as folhas e os frutos só estão maduros em Agosto.

      Eliminar
    2. Esclarecedor o seu comentário. Obrigada.
      As coisas no supermercado são muito apelativas, tudo é feito de uma forma pensada, para além do preço que em muitas situações é convidativo.

      Eliminar
  10. Porque estamos a ser alimentados por um perito em venenos?

    https://www.youtube.com/watch?v=riaoYso6cFM

    ResponderEliminar
  11. Portugal é mãe do Brasil, e ensinou tudo isso a este filho Pátria Amada Brasil. Somos vozes solitárias a gritar na tempestade. Mas não desistamos! Façamos nossa parte! Gritemos!!!!!

    ResponderEliminar
  12. Os portugueses podem ignorar quem é a monsanto, por desconhecimento talvez. Mas os países do Norte da Europa? ! Existem pessoas mt mais esclarecidas, exustem estudos sobre como a monsanto intervém directamente na alimentação/ ração de oeixes de viveiro, completamente contaminadas mas ignoram pq outros valores falam mais . Vende-se peixe na Noruega onde se informa directamente os condumidores para o consumir apenas 1 a 2 vezes por mês! Afastam as pessoas que tentam fazer alguma coisa contra, e sim são os nossos dirigentes! Isto sim é uma vergonha! Somos seres humanos cada vez mais desumanizados!

    ResponderEliminar
  13. Tenho algumas dúvidas sobre os alimentos que estão a ser alvo de manipulação genética... e sobre a forma de os reconhecermos.
    Caso concreto, quando vamos a um mercado, seja grande superfície ou o mercado do meu bairro, como sei que a fruta e os legumes que compro são "bons" ? são produtos que não têm rótulo... quanto muito a origem. Mas isso não diz nada..
    Falo obviamente de produtos normais, optando pelos biológicos, penso eu que á partida são "bons" .

    ResponderEliminar
  14. As pessoas vivem dentro das mesmas ideologias destes "canibais mentais".
    Só reparam no preço e não na sua constituição.
    Por outro lado, há imensa gente com poucas posses e muitos encargos, o que leva a terem de abdicar de pensar tanto nestas coisas.
    A vida em si é muito dura, e quem não tem luta para ter um pouco, e quem tem luta para ter muito mais. A ganância do ser humano...

    ResponderEliminar
  15. As pessoas vivem dentro das mesmas ideologias destes "canibais mentais".
    Só reparam no preço e não na sua constituição.
    Por outro lado, há imensa gente com poucas posses e muitos encargos, o que leva a terem de abdicar de pensar tanto nestas coisas.
    A vida em si é muito dura, e quem não tem luta para ter um pouco, e quem tem luta para ter muito mais. A ganância do ser humano...

    ResponderEliminar
  16. Eu estou mais uma vez escandalizada com estas coisas maléficas do nosso Mundo! O gosto atroz pelo Dinheiro e Lucro está a transformar o Ser Humano num terrível pesadelo! Pergunto eu, mas a OMS não pode ter mais poder de fiscalizar e penalizar.? Se não, importa criar uma Entidade Mundial que coordene devidamente a alimentação mundial!?

    ResponderEliminar
  17. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderEliminar
  18. Sim e os BURROS dos portugueses vão na conversa, infelizmente...
    Quando começarem a nascer crianças deficientes como aconteceu na Argentina, depois querem subsídios de saúde e outras coisas mais.

    ResponderEliminar
  19. Existe alguma peticao ou forma organizada de movimento contra a Monsanto em Portugal?

    ResponderEliminar
  20. O mal é que em Portugal estes diabos que mandam nos partidos do arco da governação são uma cambada de vendidos.

    ResponderEliminar
  21. Ler estes comentários é que me deixa escandalizado! Pergunto-me onde andariam estás pessoas todas qd a procissão ia no adro e se tentou combater a introdução de culturas transgénicas em Portugal.
    Será que o movimento Verde Eufémia não diz nada a ninguém?
    Na altura foram descritos na comunicação social como bloquistas dos charros, vândalos, escumalha que não quer trabalhar, que não faz pela vida e não quer que os outros façam.
    Foram vítimas de agressão por parte das autoridades (GNR foi lá molhar a sopa).
    Aqui fica um post feito pelo movimento em 2007 após os incidentes em Silves.
    http://eufemia.ecobytes.net/

    ResponderEliminar
  22. Vejam o documentrario cash investigations"produits toxiques nous enfants en danger"é arrepiante.
    Tanto em Portuagal como na Argentina os média preferem novelas e futebol"pao e circo"ja dizia o outro.

    ResponderEliminar