24/03/2016

A Dívida, elemento-chave da nossa submissão ao sistema económico

Desde que as Nações são Estados e que os Estados são Repúbllicas, os mais ricos da sociedade dedicam-se a enfraquecer ao máximo esses Estados e as suas instituições, para garantir a si próprios uma situação de máxima liberdade.

Texto traduzido do blogue françês L’Indigné du Canapé

Estes ricos são os liberais e procuram reduzir a influência dos Estados, que eles consideram demasiado poderosos e muito pouco virtuosos. A História demonstra-o: nas raras ocasiões nas quais um Estado se tornou poderoso e, portanto, independente da influência dos seus súbditos mais ricos, esses ricos começaram a recear o poder do Estado e dedicaram-se a destrui-lo. 

Para os ricos, é ainda pior quando o Estado é sustentado pelo Povo, pois nesse caso é legítimo. 

É por isso que por trás, através dos “media”, eles tentam descredibilizar o Estado e atrair contra ele as iras do Povo. Porque, para destruir o Estado, o rico tem uma estratégia eficaz: arruiná-lo! E funciona! 

Para tal, o rico possui dois meios eficazes: 

1 - Pagar o mínimo possível de impostos (isenções fiscais, sabotagem de todos os impostos sobre a riqueza que visem maior justiça fiscal, liberallização das Leis do Trabalho, optimização fiscal e exílio em paraísos fiscais, etc.) Evidentemente, isto só funciona se os mais pobres, esses, continuarem a pagar os seus impostos. 

2 - Endividar o Estado, emprestando-lhe dinheiro e obrigando-o a reembolsar esse dinheiro com altas taxas de lucro. 


Com o objectivo de impedir exageros do Estado no momento de criar o dinheiro que lhe é necessário ao apelar ao seu Banco central, a Lei Rothschild (1973) fez, pouco a pouco, passar a criação do dinheiro do Público (Banco de França), para a banca privada. Depois dessa Lei Rothschild de 1973, depois do Tratado de Maastricht (1993), e mais ainda depois do famoso artigo 123 do Tratado de Lisboa de 2005, os Estados são obrigados a pedir empréstimos aos mercados financeiros privados, com taxas de juro pesadas! Tudo isso em vez de criar dinheiro e de o obter a taxas nulas ou quase nulas do seu Banco Central. 

O Artigo 123 do Tratado de Lisboa define que todos os Estados membros da Comunidade Europeia deixarão de ter o direito de obter empréstimos junto do seu Banco Central. Ficam com a obrigação de os solicitar nos mercados financeiros, através de juros. Descendente da Lei Pompidou-Giscard de 1973 e do artigo 104 do Tratado de Maastricht, este artigo está na origem do endividamento e das quantias astronómicas assumidas pelo Estado para o reembolso de uma dívida que não deveria existir. 

O custo dos juros dessa dívida representa a maior despesa no Orçamento do Estado e eleva-se a 153 milhões por dia, ou seja mais de 106.000 € por minuto (números referentes ao Estado Francês - NT). É uma dívida “odiosa”, porque foi contraída contra os nossos interesses, sem o nosso conhecimento, mas com total conhecimento dos credores. Resultado: A França tinha, em 2004, uma dívida de mais de 2.000 bilhões (mil milhões) de euros. Mas é preciso lembrar que a França já pagou mais de 1.400 bilhões aos seus credores nos últimos 40 anos. Apenas em juros, acrescentemos. 

Os seus credores são 65% estrangeiros e na sua maioria bancos privados e grandes clientes dos mercados financeiros! Com efeito, a França gasta todo o seu dinheiro (e o seu tempo) a reembolsar os juros da dívida, sem amortizar o reembolso da própria dívida… Uma dívida que não é moral, nem norma!

Há mais de 40 anos que as despesas públicas estão estáveis. O que acrescenta a dívida, são os juros da dívida. E, desde há 40 anos, os diversos eleitos (de extrema esquerda à extrema direita), mantêm este estado de coisas sem se questionarem. É anormal. Esta dívida é ilegítima, pois foi inteiramente criada pelos mercados, para os mercados. Com o incompreensível aval dos eleitos. 

Portanto, nós não somos responsáveis por esta dívida. Não vivemos acima das nossas possibilidades. Evidentemente que pedindo dinheiro aos bancos (que criam dinheiro do nada antes de nos pedir que o reembolsemos com dinheiro verdadeiro), cidadãos comuns contribuíram para este sistema podre. Mas quem pediu este sistema? Quem enriqueceu graças a ele? E quem foi que, depois, empobreceu por causa dele? Não é o comportamento das pessoas que devemos condenar, mas sim estes indivíduos que modificaram as estruturas da nossa economia de forma a que elas lhes aproveitam a eles e não à maioria da população... É também por isso que é incompreensível e inadmissível que o dinheiro do Estado - o nosso dinheiro - continue a reembolsar bancos quando eles fazem tudo o que lhes apetece com o que criaram a partir do nada para especular sobre tudo e mais alguma coisa. 

Mas a dívida é um poder formidável. Mete medo às pessoas que já não refletem nas causas mas apenas nas consequências. Ela impede de pensar racionalmente. Quando é comentada com um discurso moralista do género “Não podemos deixar de pagar, quando se tem uma dívida, paga-se, é ser civilizado” parece incontestável. E no entanto, como já vimos, a dívida é tudo menos moral, tudo menos normal! Tomemos consciência destas coisas. Batamo-nos contra os bancos e contra estes políticos que lhes dão plenos poderes. Não podemos atribuir estas crises a outros povos e identidades, escolhendo o recuo para o nacionalismo, que não resolve nada. Vamos informar-nos. Vamos analisar. Vamos explicar. Vamos lutar.

Sem comentários:

Enviar um comentário