29/09/2015

Denúncia; Outros cortes na Seg. Social: "Tenho uma filha deficiente com 44 anos"

Chegou-nos uma denúncia chocante de mais uma medida governamental que vai afectar gravemente as familias de milhares de portugueses.

A Segurança Social vai reduzir as comparticipações pela utilização dos serviços e equipamentos sociais das IPSS fazendo desta forma alvo a familiares de deficientes.

Neste caso, uma mãe com uma filha que frequenta (vai deixar de frequentar), uma IPSS, deixará de pagar 169,55 € por mês, para pagar 611,56€ por mês.

Em anexo deixamos o ofício no qual esta mãe recebe a notícia que irá pagar mais de 440€ por mês do que aquilo que pagava, e a circular do Ministério da Solidariedade, Emprego e Segurança Social correspondente.




Tenho uma filha deficiente com 44 anos que frequenta uma IPSS.

Pagava mensalmente em 2011, 146,48 Euros.

Em 2012 » 152,79€; 2013 » 161,48€ ; 2014 »161,48, a que acresce apoios como hipoterapia.

Em 2015 - 169,55 € até Dezembro. No próximo Janeiro passa para 611,56 Euros por mês, a que acresce apoios como hipoterapia, aplicada a nova tabela de comparticipação. Recebi a informação da Instituição em Julho.

Por uma circular nº 4 de 16/12/19014 (que passou despercebida a toda a gente), regulamento das comparticipações familiares devidas pela utilização dos serviços e equipamentos sociais das IPSS, a percentagem da comparticipação familiar nos centros de atividades ocupacionais é de 40 a 65% do rendimento per capita do agregado familiar. Não há um teto máximo.

Para o efeito pode acrescer uma comparticipação dos descendentes ou outros familiares. Se eu falecer serão os irmãos a suportar esse custos.

Sabe, é um prazer termos filhos ou familiares deficientes. Aliás para o Ministro e restante Governo é um luxo! Gostava que um dos Srs que tanto apregoam o bem que este (des)govoverno tem feito, estivessem no meu lugar.

Ela vai sair da Instituição e passa a ficar em casa, como eu, devem estar centenas de famílias. Voltamos a esconde-las,não as vendo, elas deixam de existir !

É isso que o Sr. pretende ?
É reduzir a despesa da Segurança Social à custa das famílias?


Texto e foto cedida e publicada 
com a autorização da Sra. Maria Sameiro 













1 comentário:

  1. Cara Maria,
    Sei bem a luta que enfrenta, não enquanto mãe como a Sra., mas como irmã. É frustrante ver estas pessoas tratadas como cidadãs de 2ª, é frustrante saber que acima da solidariedade social temos os interesses financeiros, que as pessoas valem menos que o dinheiro. Não aceitamos e não nos conformamos! Queremos soluções de integração, queremos que as famílias sejam aliviadas dos encargos financeiros dos tratamento e das soluções de vida para estas pessoas.
    Obrigada pelo seu testemunho e nunca baixe os braços. Obrigada pela coragem que tem e a luta que enfrenta diariamente há 44 anos. Tenho-lhe muito respeito!

    Cumprimentos,
    Marta

    ResponderEliminar