15/12/2015

A Grande Farsa do Clima em Paris

Assim como se convenceu o mundo há uns anos atrás que o Iraque tinha armas de detruição maciça para justificar tudo o que veio a seguir, também por esta altura, os líderes mundiais festejam uma suposta vitória do clima e do planeta, e procuram convercer-nos de uma qualquer mudança de comportamento de governos, interesses económicos e financeiros, e de grandes lobies da industria, que irá acontecer daqui a diante.

A verdade é que sabemos bem para quem estes mesmos líderes trabalham, e que enquanto fingem em Paris defender o clima, atacam-no com acordos feitos à porta fechada, como o TTIP ou o TPP, dando às grandes multinacionais cada vez mais ferramentas para prosseguirem o seu genocídio ambiental.
 
A página de Facebook Guilhotina publicou dois excelentes pequenos artigos que quisemos aqui relacionar um com o outro, não esquecendo outro artigo em português que o Portal Anarquista (o antigo Colectivo Libertário Évora) dizponibiliza aqui, que também chegamos a divulgar no nosso Facebook, lançando também o texto final do acordo em Espanhol aqui.

Quanto a nós, a grande novidade (ou não), que a Cimeira de Paris promoveu, foi a de proibir manifestações de cidadãos preocupados com questões climáticas, invocando o combate ao terrorismo. Gostariamos também de disponibilizar-vos um vídeo que mostra bem, como se comporta a França (e o Ocidente em geral, já que isto não è nenhuma excepção), no que diz respeito às liberdades dos seus cidadãos. 

Segundo a Guilhotina :
O grande "acordo histórico" em Paris não passa de mais areia atirada aos olhos do mundo. As 195 nações que assinaram o acordo comprometeram-se a limitar o aquecimento global entre 1.5ºC a 2ºC, mas de forma completamente desdentada:

- Não foram acordadas medidas a tomar, cada país apenas tem de entregar um relatório ocasional de medidas e o seu progresso.

- Na verdade, os responsáveis por dois terços das emissões nem se comprometeram em baixá-las e vão aumentá-las bastante (como a China, Índia, Rússia) e os responsáveis pelo terço final de emissões acordaram em baixá-las apenas 1% ao ano entre agora e 2030 (como os EUA, UE, Japão e Canadá).

- Não foi formada nenhuma instituição que puna o incumprimento, nem tão pouco foram decididas penalizações.

- As contribuições dos países desenvolvidos para financiar a adaptação às mudanças climáticas dos países subdesenvolvidos são meras esmolas apesar de serem as economias desenvolvidas o principal motor do aquecimento. E mesmo estas esmolas são "voluntárias", ou seja, nunca vão aparecer.

O escaparate de várias nações para dizer que vão cortar emissões quando na realidade as vão aumentar é comparar as suas promessas com o aumento previsto pela ONU ou então definir uma percentagem de redução em relação a um ano em que as emissões já estavam mais altas que hoje. Assim, num futuro hipotético, se poluírem um bocado menos do que o esperado ou em relação a um ponto qualquer aleatório no passado em vez do presente, "reduziram" as emissões. Isto tendo em conta que o que é necessário para impedir um aumento de 2ºC eram cortes drásticos que deviam começar imediatamente e garantir que 90% dos combustíveis fósseis permanecem debaixo da terra.

Na verdade, estes compromissos voluntários e auto-determinados, mesmo na melhor das previsões, vão levar a uma aumento de 2.7ºC a 3.5ºC. E ainda por cima, muitos desses compromissos estão baseados em tecnologias imaginárias de captura de carbono que ainda não deram qualquer prova de viabilidade.

Ao mesmo tempo, várias nações e indústrias continuam a agir da sua forma irresponsável habitual:

- A Grã-Bretanha já disse que o acordo é puramente "aspiracional", tendo cortado há pouco tempo mil milhões de libras de investimento em tecnologias de captura de carbono.

- Os EUA e amigos continuam a impulsionar o TTIP e TPP, acordos que permitem às corporações impugnar medidas ambientalistas em tribunais supra-estatais secretos se isso lhes causar prejuízos reais ou imaginários nos lucros.

- A Associação Mundial de Carvão já veio dizer que está descansada da vida em relação ao impacto do novo acordo na sua indústria (de facto, no acordo nem sequer aparecem escritas as palavras "carvão" ou "petróleo" uma única vez).

- Nos EUA, muitas das medidas que Obama disse querer implementar estão em tribunal devido à oposição dos estados.

Se há solução para o clima, esta não virá das cimeiras dos mordomos da indústria fóssil e dos bancos, mas do poder popular.

Enquanto isso, pelo menos 78 activistas ambientais foram assassinados em 2015. E o ano ainda não acabou.

No ano passado, foram 116 os que tombaram na defesa das suas terras contra a destruição ambiental – cerca de 2 por semana. Cerca de 40% das vítimas eram indígenas; a maioria pertencia a comunidades que se opõem a grandes projetos de mineração; quase metade destes assassinatos aconteceram no Brasil e na Colômbia – padrões que se voltam a repetir este ano. Alguns são mortos durante protestos, outros abatidos a tiro por assassinos contratados.

Desde a Cimeira do Clima em Copenhaga, em 2009, cerca de 640 activistas foram assassinados em todo o mundo –principalmente na América Latina e no Sudeste Asiático. A maioria são assassinados pelas autoridades e também por organizações paramilitares ou assassinos contratados, com a cumplicidade dos regimes. Os líderes desses regimes continuam a reunir-se em Cimeiras hipócritas em que fazem discursos bonitos sobre a necessidade e vontade de proteger o ambiente – quando as suas acções demonstram exactamente o contrário: um completo desprezo pelo meio ambiente e uma acção implacável contra os indivíduos e comunidades que se opõem aos seus projectos megalómanos e destrutivos.

A Guilhotina, assim como o Portal Anarquista fazem um excelente trabalho e aconselhamos vivamente seguirem esta páginas

mais informação disponibilizada pela Guilhotina :

World Leaders Signed a 'Death Warrant for the Planet' at COP21

This content was originally published by teleSUR at the following address: 
 "http://www.telesurtv.net/english/opinion/World-Leaders-Signed-a-Death-Warrant-for-the-Planet-at-COP21-20151213-0010.html". If you intend to use it, please cite the source and provide a link to the original article. www.teleSURtv.net/english



Sem comentários:

Enviar um comentário