22/12/2015

Perdeu a vida devido a cortes de austeridade - Namorada escreve carta aberta

David Duarte, 29 anos, perdeu a vida na madrugada de 13 para 14 de dezembro (de domingo para segunda-feira) no Hospital de São José, em Lisboa, porque a equipa médica que o poderia salvar recusa trabalhar ao fim de semana pelo valor que o Estado paga. A namorada de David Duarte, Elodie Almeida, de 25 anos, estava com ele quando surgiram os primeiros sinais. Colocou em palavras escritas aquilo que não conseguiu contar ao Expresso de viva voz. É um testemunho raro. Ao jornal Correio da Manhã, a mãe de David Duarte contou que este deu entrada no hospital de Santarém na sexta-feira, dia 11, com dores de cabeça, parcialmente paralisado e incapaz de falar. Foi transferido para o Hospital de São José, em Lisboa, onde aguardou cirurgia até segunda-feira para o que seria um aneurisma cerebral. Acabaria por morrer antes de a cirurgia ser realizada, apesar de ter sido marcada para o dia 14. 

Ao Diário de Notícias, o Centro Hospitalar de Lisboa Central (CHLC), ao qual pertence o Hospital de São José, confirmou que a prevenção aos fins de semana de neurocirurgia vascular está suspensa desde abril de 2014. Como a prevenção ao fim de semana é de regime voluntário, alguns especialistas optaram por deixar de a fazer, devido à alteração dos regimes remuneratórios. Embora existam dois neurocirurgiões no Hospital de São José 24 horas por dia, a neurocirurgia de urgência de aneurismas é "altamente especializada", disse ao DN porta-voz do CHLC, e requer uma equipa "especialmente habilitada" para a realizar "com resultados satisfatórios".

Nós raramente postamos este tipo de episódios mas isto é ilucidativo de muita coisa que se anda a passar em Portugal. Em primeiro lugar gostaria de perguntar aos nossos leitores quantos de vós, numa situação ou noutra não foi chamado de urgência aos vossos respectivos locais de trabalho, numa altura em que estariam de folga, de feriado ou fora do vosso horário de trabalho, para resolver uma ou outra situação? Em segundo lugar, isto passou-se no Hospital de São José, no centro de Lisboa. Ou seja, se isto se passa no centro de Lisboa, como estará a situação em Hospitais em zonas mais remotas do país. Em terceiro lugar, este homem teria morrido se tivesse dinheiro para ser intervencionado por uma instituição hospitalar privada? Não existiam especialistas devido a mudanças remuneratórias ... OK, então, quem vai dar a cara por cortes austeritários criminosos que provocam ou podem provocar este tipo de situações? ... 

Se este rapaz de 29 anos tivesse dinheiro de sobra ou fosse um banco, seria salvo. É este o futuro do nosso sistema nacional de saúde. Quem não pode pagar, que morra aí à espera num canto.


A namorada de David Duarte, Elodie Almeida :

 

Na sexta-feira, dia 11 de dezembro, em pânico, liguei para o 112 por volta das 14h30. O David ficou paralisado do lado direito, sem conseguir formular frases. Tentava falar mas era incapaz, apenas conseguia gritar e chorar. A ambulância chegou, o David estava consciente e ciente daquilo que lhe pediam e perguntavam, porém, continuava sem conseguir expressar-se. Ajudaram-no a vestir-se e a calçar-se, colocando-o de seguida numa cadeira de rodas, visto que não tinha força na perna direita. Fui com eles na ambulância. O David chegou ao Hospital de Santarém e foi logo colocado em observação. Fizeram-lhe exames, enquanto aguardei.

Após 30 a 45 minutos de espera, deixaram-me vê-lo. O David dormia mas por vezes abria os olhos. Estava muito agitado. O médico acordou-o e pediu-lhe para levantar os braços e ele conseguiu levantar apenas o braço esquerdo. Pediu-lhe para levantar as pernas e ele conseguiu levantar a esquerda e, muito lentamente, levantou a direita. Estava consciente.

Pouco tempo depois, fui chamada, eu e a avó materna do David, que se encontrava no hospital por outros motivos. Anunciaram-nos, numa sala à parte, que o David tinha tido uma hemorragia cerebral e um grande hematoma e teria de ser transferido de urgência para o Hospital de São José, em Lisboa. Apenas tive tempo de lhe dar um beijo. Ele abriu os olhos e eu disse-lhe: “Eles vão cuidar de ti.” Foi de imediato transferido pelo INEM, penso que seriam cerca de 18h.

Esperei umas horas pelo meu pai, que veio de Coimbra buscar-me para seguirmos para o Hospital de São José. Chegámos por volta das 22h, penso eu. Pedimos informações, procurámos o edifício que nos referiram, porém estava fechado.

Apareceu uma enfermeira, que gentilmente nos fez entrar e aguardar pela médica. Esperámos cerca de uma hora. No final, foram dois médicos que se reuniram connosco numa sala. Estávamos presente eu, o meu pai, Fernando, e a Sra. Zélia, mãe do David, que fomos buscar a Vila Chã de Ourique no caminho para o Hospital de São José.

Ali anunciaram-nos, descontraidamente, que se tratava da rutura de um aneurisma, que o sangue se espalhou pelo cérebro e que, geralmente, estes casos de urgência teriam de ser tratados de imediato, ou seja, o doente teria de ser logo operado. Mas como os médicos referiram, infelizmente calhou ser numa sexta-feira, logo não iria haver equipa de neurocirurgiões durante o fim de semana. O David teria de aguardar até segunda para ser operado. Deram-me a entender que o sangue espalhado pelo cérebro poderia, muito provavelmente, causar sequelas e posteriormente múltiplos AVC.

No sábado, dia 12, visto que a família mais próxima do David decidiu visitá-lo, estando eu em Coimbra, decidi ficar, ligando constantemente para o hospital para pedir informações (raramente era atendida ou pediam para ligar mais tarde). Pedi ao Sr. José, tio do David, para pedir informações junto às enfermeiras ou aos médicos, pois queria saber se existia a hipótese de o David ser transferido para outro hospital, de forma a ser operado o mais rapidamente possível. Pelo que entendi, a melhor opção era sem dúvida o Hospital São José e não seria apropriado transferi-lo.

Nesse mesmo dia, a mãe do David referiu que ele abria os olhos, levantava os ombros e sentia frio nas pernas, tendo tido a iniciativa de se tapar com o lençol, apesar de as enfermeiras terem informado que não estaria consciente, que não iria reconhecer-nos e que estava demasiado confuso e perturbado. Visitei o David no domingo, dia 13, e ele estava em coma induzido.

Disseram-me que o caso se tinha agravado, que ele vomitou durante a noite, que começou a fazer demasiado esforço para respirar e que o coma induzido seria uma forma de ele não permanecer agitado e de o ajudar a respirar, de modo também a prepará-lo para a cirurgia de segunda-feira de manhã.

Anunciaram-me que a sorte dele era ser novo, mas que o grande problema era o sangue espalhado pelo cérebro, que poderia provocar sequelas e outras complicações. Porém, algo bom aconteceu. Segundo o médico, criou-se um coágulo de sangue que permitiu “fechar” a veia, mantendo o sangue a circular dentro da mesma e permitindo que ele ficasse calmo e que a veia não voltasse a rebentar. A operação consistia na remoção do hematoma e desse coágulo, selando a veia através de um “clipe” e eliminado definitivamente o aneurisma.

Por outro lado, o meu pai falou com outra médica, que confirmou que a operação seria no dia seguinte de manhã e que seria melhor aguardarmos 48 horas antes de visitar o paciente, para não ficar perturbado.

No dia seguinte, segunda-feira dia 14, liguei várias vezes, querendo saber como tinha corrido a operação. No momento em que atenderam, por volta das 14h30, disseram-me simplesmente que não tinha sido realizada e que seria melhor deslocar-me ao Hospital São José, sem acrescentarem mais informações. Eu própria tive de informar a mãe do David, visto que ninguém do hospital nos telefonou.

Mais uma vez, fomos de Coimbra até Vila Chã de Ourique buscar a mãe do David. Chegámos ao Hospital de São José e aí anunciaram-mos que o David tinha tido morte cerebral e que seria irreversível. Não me deram mais detalhes. Completaram esta grave notícia, anunciando que no mesmo dia ou no dia seguinte ele seria operado para a doação de alguns dos seus órgãos.

O funeral de David Duarte realizou-se no dia 17 de dezembro de 2015, quinta-feira.

Os nosso sentimentos 

11 comentários:

  1. Lamento muito! Mais um caso que tem de ser resolvido! Uma herança perversa que Passos Coelho ofereceu a António Costa! Pode acontecer a qualquer de nós, agora a vítima foi um jovem que sofreu a austeridade imposta por alguém que se gabou de ter ido além desta, para ficar como bom aluno da Alemanha e &.
    Estamos a viver tempos muito difíceis. Obrigada por denunciarem casos destes. Espero que o novo governo consiga dar respostas urgentes. Tenho esperança disso.Quantos mais vão ser vítimas????

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Assista quem de direito ou interessado a Família da Vitima David Duarte Façam favor de levar isto ao Tribunal Europeu pois o DIREITO á VIDA é uma garantia quer da Constituição da Republica Portuguesa quer dos Direitos Humanos
      A salvaguardada pelas mesmas, assim punir estes responsáveis e criminosos porque hoje foi o David Duarte e exigir a reparação dos danos e intentar para que isto não se volte a repetir entretanto o anterior Ministro da Saúde pode e deve ser constituído arguido por homicídio por negligencia endereço eletronico de como agir e apresentar a respectiva queixa crime http://www.gddc.pt/…/sist-euro…/cons-europa-queixa-tedh.html

      Eliminar
  2. Eu não sei, mas está na altura de começar os motins, e a queimar coisas !

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Este comentário foi removido pelo autor.

      Eliminar
    2. concordo tanto. Nós somos culpados de tanta coisa. A inércia do povo fez com que tudo chegasse a este ponto.

      Eliminar
  3. É ESTE O CAOS A QUE CHEGARAM AS NOSSAS INSTITUIÇÕES PAGAS POR NÓS E LIDERADAS PELA INCOMPETÊNCIA E PELA IRRESPONSABILIDADE E EM QUE O SENTIMENTO DE IMPUNIDADE ORIGINA ESTAS SITUAÇÕES...!

    ResponderEliminar
  4. É nestas alturas que sinto vergonha do meu país!
    Quando alguém estuda para médico, na minha opinião, estuda para estar pronto para este tipo de situações, estuda para a qualquer hora tratar deste tipo de situações, trata-se de uma questão de ética profissional, médico não é só das 09h ás 17h, médico é dar um pouco mais de si do que qualquer outra profissão!!!
    Doar órgãos? Eu doava era o "caralho", desculpem os termos, mas isto revolta! Parece que estava a espera que o David partisse para se aproveitarem dele! Enfim! é triste o país em que vivemos! é triste e revoltante!!! Os meus mais sinceros sentimentos á família e amigos do David! Força!

    ResponderEliminar
  5. E revoltante, mas o que eu gostava fe saber e quanto foi a reducao salarial dos medicos que pararam de fazer as urgencias. Numa situacao de crise como em Portugal, todos tem que fazer sacrificios. Incluindo medicos. Claro, ha sempre aqueles que nao fazem, como os politicos que nao dao o exemplo, e e injusto, concordo. Mas como conseguem dormir os medicos que decidiram que o pagamento nao valia a vida das pessoas que eles salvavam. E essa e uma duvida genuina. Nao estou a acusa-los sem saber. Alias o que quero e entender

    ResponderEliminar
  6. Os médicos estão mal habituados...acho muito bem os cortes que todos nós tivemos. Só espero daqui a quatro anos não ter que voltar ao ponto zero! Em relação ao David é lamentável. Mas nestas situações de AvC são raros os casos que são bem sucedidos sem sofrerem lesões... Por norma, a morte é inevitável. Mesmo se o David fosse operado ainda na sexta já nao se conseguia salvar.
    Bom natal para todos. ��

    ResponderEliminar