05/06/2016

Carta aberta às pessoas amarelas

Caras pessoas amarelas,

O que vos faz ir para as ruas é a escola dos filhos de cada um de vós. O que me fez e faz e fará ir para a rua, e até escrever este texto, é a escola de todos os filhos. Nunca foi “a escola do meu filho”. Foi sempre A Escola. Não vos vi por lá nessa altura. Usando o vosso vocabulário, a “escola do meu filho” andava a pagar a “escola dos vossos filhos”.

E aqui não há filhos e enteados. Fazem muito bem em lutar por um futuro melhor para os vossos filhos. Todos fazemos isso, como mães, pais e ainda que não sejamos pais ou mães (não percebem esta de nem sequer ter filhos e de, ainda assim, ter a obrigação de contribuir, pois não?).

Mas tentem ao menos perceber uma cena, a vossa liberdade de escolha (é a terceira vez que digo isto) não equivale a nenhum dever meu.


Acredito na Escola Pública (e não só porque o meu anda numa excelente escola pública). Acredito que o dinheiro até agora desbaratado pelo Estado em escolas privadas (já se deram sequer ao trabalho de perceber o que é “privado”?) vai contribuir, se aproveitado no Ensino Público, para a melhoria deste.

A culpa de não ser já de hoje para amanhã (o que lamento) é toda vossa. Foi demasiado tempo deste fartar vilanagem. Mas a Escola Pública vai compor-se, sim. Assim esta política se mantenha e não trema perante os lobbies amarelos. No entretanto, terão mesmo de arcar sozinhos com os custos desta transição. Porque “essa” escola pública a 500 metros do vosso colégio não tem as condições deste, precisamente por causa do dinheiro que o Estado despejou no Privado, ao invés de alimentar o Ensino Público, que é o único que lhe compete.

O resto é o tal “direito à escolha”. Nunca ninguém colocou em causa o vosso direito, desde que este Governo e maioria parlamentar que o sustenta, resolveu abrir os olhos. Não o transformem é num dever meu. Mais uma coisa. Lá atrás, quando falo de lutar… Não lutámos apenas pela Escola Pública. Mas disso nem vale a pena falar, seria demasiado para as vossas singulares e umbiguistas cabecinhas.

E não, não sou dono da razão, mas pago as minhas escolhas.

Sejam dignos, façam o mesmo. Para além de que estão a fazer uma figurinha tão triste, àquele nível de um tipo sentir vergonha por acções de terceiros. Será mandar pérolas a porcos, o que de seguida digo. Pedir-vos a decência de lutarem pelas crianças, por todos os filhos de todos os pais. Ainda assim aqui fica, e podem juntar o desafio de lutarem também por vós e pelos avós. Mas não é só vós, nem é só os avós dos vossos filhos. Um nó no cérebro, imagino.

Essa luta é transversal à sociedade, esquerda ou direita. Tem a ver com distinguir o justo do injusto.

1 comentário:

  1. É lógico!!!! Nem percebo a discussão disto. Isto seria mesmo um não assunto não fosse o anterior governo criar esta situação,é que além de absurdo é mesmo inacreditável que alguém pense que tem o direito de pôr os filhos em colégios e em vez de pagarem essa escolha querem que os outros paguem!!! Eu andei em colégios os meus pais pagaram, os meus filhos, até transitarem para o público, andaram em colégios pagos por mim e pelo meu marido, como nos competia.Qual é a questão??? Não consigo entender!!!!Mas quem foi o génio no governo anterior que se lembrou de fechar escolas públicas, despedir professores, auxiliares e etc e a seguir ir enterrar dinheiro em colégios????É mesmo inacreditável��!!! E que pais são estes,que gente é esta que se acha no direito de usufruir duma regalia destas sem a pagar???? Está tudo louco��

    ResponderEliminar