15/06/2016

Manif junta um milhão em Paris contra reforma laboral

A grande manifestação convocada por sindicatos e organizações estudantis foi palco de confrontos com a polícia e reforça a mobilização contra a lei que está a ser discutida no Senado francês. 

A luta contra a revisão da lei laboral prosseguiu esta terça-feira com manifestações em várias cidades francesas. Segundo os sindicatos, cerca de 20 mil pessoas manifestaram-se em Toulouse ao fim da manhã e mais de 100 mil em Marselha. 

O maior protesto teve lugar em Paris – mais de um milhão de manifestantes, segundo as centrais sindicais FO e SUD –  e ficou marcado por confrontos entre grupos de manifestantes e o impressionante dispositivo policial montado para acompanhar a manifestação. À hora marcada para o arranque do cortejo já se sentia no ar o gás lacrimogéneo lançado pela polícia. Minutos depois, as autoridades policiais da capital francesa anunciavam treze detenções, após o lançamento de projéteis por parte de “várias centenas de pessoas encapuçadas” na cabeça da manifestação. Segundo a mesma fonte, seis manifestantes e vinte polícias ficaram feridos. 

Com a tensão a subir e a manifestação dividida em duas partes pela polícia, rapidamente os carros policiais passaram a ser alvo da fúria dos manifestantes. Os confrontos provocaram vários feridos, assistidos no local por equipas médicas. O ar irrespirável obrigou muita gente a procurar abrigo dentro de edifícios.  

A força desta mobilização surge no seguimento da greve prolongada dos ferroviários e dos bloqueios de refinarias que no último mês provocaram o racionamento de combustíveis nalgumas regiões francesas. O secretário-geral da CGT, Phillipe Martinez, encontrar-se-á esta sexta-feira pela primeira vez desde o início dos protestos com a ministra que dá o nome à lei contestada, Myriam El Khomri. 

fonte » esquerda.net

videos aqui » video 1, video 2, video 3

Em Portugal a página de facebook Guilhotina.info está a fazer um trabalho notável de acompanhamento às movimentações sociais em França. 

 





Sem comentários:

Enviar um comentário