29/11/2016

Juncker pede a líderes europeus para não fazerem referendos de saída da UE enquanto aumentou o próprio vencimento.

O presidente da comissão europeia disse que seria "imprudente" os países membros darem ás pessoas uma voz porque podem seguir o exemplo do Reino Unido.

Jean-Claude Juncker falava depois do candidato de extrema-direita ás eleições presidenciais ter ameaçado fazer um referendo se a União Europeia vier a ser ainda mais centralizada. Norbert Hofer pode ser eleito presidente em Viena no próximo domingo (4 Novembro).

"Nós não podemos negar ou retirar ás pessoas na Europa o direito de expressar as suas visões. Mas no que concerne a referendar a permanência de um estado-membro, eu acho que é imprudente organizar este tipo de debate, não apenas porque estou preocupado com resultado final mas também porque vai acumular ainda mais controvérsia há já existente no meio da UE."

Os comentários foram feitos numa entrevista da EuroNews - um pouco antes de surgir que o presidente da comissão europeia garantiu um aumento de vecimento a ele próprio,bem como uma subida de 3.3% no vencimento dos 55.000 empregados, com retroactivos desde Junho. Isto numa altura em que Europa continua a atravessar graves problemas orçamentais e em que a inflação da zona euro é igual a 0,5% .

O Juncker irá ter um bónus de Natal no valor de €5,181.24, enquanto o seu salário mensal base sobe para  €10,362, fazendo o valor anual disparar para uns estratosféricos  €324,377.

Prometeu que a UE não vai procurar "vingança" contra o Reino Unido por causa do Brexit. Disse ainda que os britânicos não podem ter o mesmos "direitos e vantagens" que os cidadãos da União Europeia

E depois numa reviravolta bizarra, culpou as desgraças da Europa na "falta de amor" entre os estados membros.

1 comentário: