25/11/2016

Parlamento Europeu aprova estratégia de comunicação contra "propaganda danosa"

A caminho da censura? Merkel lança guerra à "propaganda enganadora e danosa contra a UE"
Na espuma dos nossos dias, vão como sempre, acontecendo coisas que quase ninguém acha importante de serem comunicadas. Merkel falou no PE pela primeira vez desde que anunciou a sua recandidatura para dizer que a opinião pública está a ser "manipulada" através da internet. "Alguma coisa mudou -- conforme a globalização avançou, o debate (político) está acontecer num ambiente de média completamente novo. Opiniões não são formadas como eram há 25 anos atrás"- disse Merkel


"Hoje temos sites falsos, bots, trolls -- coisas que se regeneram por elas próprias, reforçando certas opiniões com logaritmos e nós temos que aprender a lidar com isso." A chancellor disse que o desafio para a democracia é "tocar e inspirar as pessoas". Contundo, se isso falhar, Merkel sugeriu que "nós devemos confrontar este fenómemo e se necessário regulá-lo".

 

Foi depois aprovado (23 Novembro) um relatório em que se defende a necessidade de enfrentar a propaganda hostil contra a UE, que visa desacreditar as suas instituições aos olhos dos cidadãos. O relatório «Comunicação estratégica da UE para enfrentar a propaganda dirigida contra ela por terceiros», redigido pela deputada polaca Anna Fotyga (Grupo dos Conservadores e Reformistas Europeus), foi aprovado esta quarta-feira com 304 a favor, 179 contra e 208 abstenções.


O inimigo declarado? A Russia através da RT e do Sputnik News, através dele são equiparados ao ISIS. O documento recebeu fortes críticas da parte de alguns deputados, que classificaram o relatório como «louco» e «ridículo». Em declarações recolhidas pela RT, o deputado Javier Couso disse que o texto "promove a histeria contra a Rússia», enquanto o deputado francês Jean-Luc Schaffhaueser destacou que a UE «precisa desesperadamente de um inimigo, seja a Rússia ou outro».


Na sessão plenária do Parlamento Europeu, vinca-se a ideia de que a UE está sob ataque, sendo alvo de uma ofensiva mediática e propagandística que tem por objectivo «distorcer as verdades, provocar a dúvida, dividir os estados-membros, criar uma fractura estratégica entre a UE e os seus parceiros norte-americanos e paralisar o processo de decisão, desacreditando as instituições europeias e as parcerias transatlânticas, que assumem um papel reconhecido na segurança e na arquitectura económica europeias», instigando «o medo e a incerteza nos cidadãos da UE».


Retirando da equação aqueles dois meios informativos, temos que perguntar onde fica tudo o resto que é realmente independente? A legislação a adoptar é igual para todos, se não alinha na narrativa europeia é preciso "regular". É aqui que nós, RiseUP Portugal nos integramos, nós e todos os sites, blogues que tentam aspirar a poeira que é levantada para os olhos de todos, sejam canais nacionais ou internacionais. Depois do Google e do Facebook lançarem a sua própria guerra aos sites alternativos e "fake news", chegou a vez do Parlamento Europeu dizer que sabe o que devemos ler e ver.


Foram também por estes dias, aprovados outros 2 relatórios que iremos falar no futuro, União Europeia da Defesa e Execução da Política Comum de Segurança e Defesa


Chegou a alucinação europeia?


Sobre a Comunicação estratégica da UE para enfrentar a propaganda dirigida contra ela por terceiros
http://www.europarl.europa.eu/sides/getDoc.do?pubRef=-//EP//TEXT+REPORT+A8-2016-0290+0+DOC+XML+V0//PT
PROJETO DE RELATÓRIO sobre a Comunicação estratégica da UE para enfrentar a propaganda dirigida contra ela por terceiros
http://www.europarl.europa.eu/meetdocs/2014_2019/plmrep/COMMITTEES/AFET/PR/2016/10-10/1094066PT.pdf
http://www.france24.com/en/20161123-merkel-warns-against-fake-news-driving-populist-gains?ref=tw_i
'At war with Russia’: EU Parliament approves resolution to counter Russian media ‘propaganda’
https://www.rt.com/news/367922-eu-resolution-russian-media/
https://orientpress.hu/

Sem comentários:

Enviar um comentário